Vigília Pascal 2021

04-04-2021

VIGÍLIA PASCAL

4 de Abril de 2021

Igreja da Boa Nova (Funchal - RTP)


"A luz de Cristo"

"A Luz de Cristo!" - "Graças a Deus!". Foi deste modo que iniciámos a nossa vigília, a celebração central de todo o ano litúrgico, onde todas as outras celebrações encontram a sua razão de ser - porque todas elas, embora espalhadas pelo tempo e pelas nossas situações existenciais, são a celebração da Páscoa de Cristo.

"A luz de Cristo!": celebramos, hoje, a luz daquele que, ressurgido das trevas do sepulcro e vencedor do pecado e da morte, salva, transformando toda a realidade, oferecendo-lhe a Verdade como luz e sentido. "De nada nos serviria ter nascido se não tivéssemos sido resgatados!" - cantávamos há pouco, no solene Anúncio da Páscoa.

À luz de Cristo ressuscitado, percebemos como, nele, "foram criadas todas as coisas que há nos céus e na terra, visíveis e invisíveis [...]. Tudo foi criado por Ele e para Ele", como afirma S. Paulo, no célebre hino da Carta aos Colossenses (Col 1,16).

A história da humanidade - história das civilizações, das conquistas e descobertas, tecida de generosidade mas igualmente marcada pelo mal, pelo egoísmo e pelo pecado - a história da humanidade, recebe o seu motor (a sua energia, o seu dinamismo, o centro que tudo atrai para si), da luz, da vida de Cristo ressuscitado: até que já não exista mais "grego ou judeu, circunciso e incircunciso, bárbaro, cita, escravo ou livre, mas Cristo que é tudo em todos", diz-nos também S. Paulo (Col 3,11; cf. 1Cor 15,24-28).

Mesmo que sem terem consciência disso, os protagonistas da história humana (heróis recordados por todos ou simples desconhecidos) - todos nós, cristãos ou não - todos constroem ou destroem em relação à vitória definitiva de Cristo ressuscitado.

A história da salvação (acabámos de a recordar nos seus pontos principais através das leituras do texto sagrado e do canto dos salmos) dirige-se, toda ela, para Cristo ressuscitado, e nele encontra o seu centro. Desde a criação do mundo, passando pela fé de Abraão e pela libertação do Egipto, à tristeza do cativeiro de Babilónia e ao regresso jubiloso à Terra da Promessa - Deus, qual pintor exímio numa tela inicialmente vazia e sem forma, vai dando corpo à obra prima, cada vez mais nítida, e antecipa, prepara Cristo ressuscitado.

Cristo foi a Palavra que o Pai proferiu ao criar o universo. Ele está presente em tudo (Jo 1). Todo o universo existe para Ele - toda a evolução, todo o caminho do mundo têm uma meta: Cristo. Ele (o vencedor da escuridão da morte) ilumina, atrai, conduz, mostra a Sua presença: das leis que regem as realidades mais evidentes da natureza, às normas que regulam o que é invisível a olho nu, é Cristo ressuscitado a chave do seu conhecimento.

A luz da razão, que nos permite a ciência e a técnica, o pensamento concreto e abstracto, também ela encontra em Cristo ressuscitado a chave, a luz que a ilumina e leva mais longe.

O drama da existência humana, encontra em Cristo ressuscitado a luz que lhe revela o sentido. Desde o milagre da concepção e nascimento de um ser humano, passando pelo mistério do sofrimento e da dor, às alegrias das conquistas e vitórias: à luz de Cristo ressuscitado, tudo é iluminado com a luz da vida eterna - a luz da vitória sobre o pecado e a morte.

Cristo ressuscitado é a luz do bem e da generosidade; é luz que permite ver com verdade o rosto do próximo e nos deixa interpelar por ele e pelas suas necessidades.

Cristo ressuscitado é luz que dá ao mundo novas cores, as cores da vida eterna. Sem ignorar o negro do pecado e da morte - antes fazendo-o contrastar e denunciando-o claramente - a luz do Ressuscitado dá-nos a certeza de podermos vencer: de nele termos vencido!

Cristo ressuscitado é luz que permite a fé e nos faz subir mais alto e ver mais longe; é luz que nos permite a ousadia de chamar a Deus por "Pai Nosso"; é luz que nos resgata da escuridão e nos permite estar diante de Deus como filhos. Cristo ressuscitado é luz que, destruindo as nossas sombras e trevas, nos resgata de uma vida mediana e sem sabor, para nos conduzir a uma vida cheia de sentido, no serviço de Deus e dos irmãos.

Cristo ressuscitado é luz que dá coragem não só para nos convertermos a nós como também para mudar o mundo, para o ir divinizando, transformando-o cada vez mais de acordo com o sonho de Deus.

Cristo ressuscitado é luz que reúne a Igreja, e faz de nós todos, saídos das águas do baptismo, membros uns dos outros, membros do seu corpo.

A luz desta noite - bem dizia o Precónio Pascal - brilha mais que o dia! Deixemo-nos invadir por esta luz fulgurante que, rompendo (hoje como na primeira Páscoa) as trevas do pecado, nos envolve com a vida divina, dirige o nosso olhar para Deus e para a realidade do mundo, ao mesmo tempo que nos confirma a meta gloriosa que nos aguarda.

Caminhemos, sem medo, iluminados por Cristo ressuscitado, vigilantes neste dia que jamais se extingue, e que terá o seu ponto glorioso no definitivo, escatológico, aguardado regresso do Senhor.

+ Nuno, Bispo do Funchal