2 fev. Homilia no Dia do Consagrado

02-02-2018

Homilia de D. António Carrilho, Bispo do Funchal,

na Missa do Dia do Consagrado

Festa da Apresentação do Senhor

Sé do Funchal, 02 de Fevereiro 2018

Consagrados, fazei brilhar a vossa luz!

Consagrados pelo admirável amor do Pai, estamos reunidos, em comunhão eclesial, para celebrar e agradecer, na solenidade da Apresentação do Senhor, o imenso dom da Vida Consagrada e Sociedades de Vida Apostólica e a sua missão na Igreja. Na verdade, apesar das fragilidades inerentes a todo o ser humano, a vida de especial consagração é um sinal luminoso da presença de Deus no mundo: com os diversos carismas e atividades embeleza e enriquece a vida da Igreja, torna-se voz profética nos grandes projetos e dramas da história.

Com afeto e gratidão saúdo, por isso, os sacerdotes, as religiosas, os religiosos e os membros dos institutos seculares, aqui presentes nesta assembleia; recordo e saúdo, também, todos quantos nos acompanham através da rádio, em especial as Irmãs Contemplativas e de vida eremítica, que asseguram na Igreja um louvor perene e silencioso à Santíssima Trindade.

Juntos, em Eucaristia, lembramos e agradecemos, de modo particular a generosa entrega da vida de quinze Irmãs de três Congregações Religiosas, presentes na nossa Diocese, que, neste ano de 2018, celebram datas jubilares: três Irmãs, Bodas de Diamante; seis, Bodas de Ouro; seis Bodas de Prata; e ainda dois sacerdotes, um dos Irmãos de S. João de Deus e outro Salesiano, que também celebram, respetivamente, as suas Bodas de Diamante e Bodas de Ouro. Que Deus a todos cumule das maiores bênçãos e os seus testemunhos de alegre fidelidade sejam estímulo para novas vocações.

Cristo, Luz do mundo

Neste Dia do Consagrado, a liturgia converge para a plenitude da Luz, que é Cristo, o Consagrado do Pai, por excelência. Daí deriva o tema escolhido para este ano: "Fazei brilhar a vossa luz!". É, sem dúvida, um grande apelo a todos os consagrados para que, contagiados pela clara luz de Cristo, sejam efetivamente luz junto dos seus irmãos e irmãs, em especial dos mais pequenos e esquecidos, vivendo o risco da insegurança e testemunhando a alegria da fé, na simplicidade de uma vida evangélica, segundo os carismas dos respetivos institutos.

O texto do profeta Malaquias desperta-nos para a necessidade de cada um renovar e purificar o caminho da entrega total a Deus, sem a qual a Sua luz não pode brilhar na nossa vida nem projetar-se, através de nós, na vida dos outros. Deus "sentar-se-á para fundir e purificar" (Mal 3, 3).

No tempo da Nova Aliança foi o próprio Cristo, que pelo seu mistério Pascal de paixão, morte e ressurreição, Se ofereceu inteiramente ao Pai pela redenção da humanidade. "Por isso, Jesus devia tornar-Se semelhante em tudo aos seus irmãos, para ser um sumo-sacerdote misericordioso e fiel" (Heb 2,17). É assim: os consagrados encontram na Cruz de Cristo a grande referência, a sua força de esperança e fidelidade até ao fim.

Maria, clara manhã de esperança

O texto do Evangelho, que acabámos de escutar, aponta-nos a obediência plena, sem reservas, da santa Família de Nazaré. "Ao chegarem os dias da purificação, segundo a Lei de Moisés, Maria e José levaram Jesus a Jerusalém, para O apresentarem ao Senhor" (Lc 2,22). Maria é a clara manhã de esperança para todos os consagrados. A Senhora pobre e humilde traz sempre em seus braços maternos o pequeno Jesus para, juntamente com Ele, nos oferecer ao Pai.

Uma luz imensa inunda este cenário de paz e de ternura. Dois velhinhos, Simeão e Ana, esperam o encontro ardentemente desejado e preparado, ao ritmo do Espírito Santo. Cheios de sabedoria, os dois anciãos identificam logo os sinais de Deus. Aquela criança é o Filho do Senhor Deus Altíssimo, o pleno cumprimento das promessas messiânicas. Valeu a pena viver e esperar: "Agora, Senhor, segundo a vossa palavra, deixareis ir em paz o vosso servo (Lc 2, 29). Chegou a plenitude dos tempos. Uma felicidade eterna inunda os rostos destes dois idosos. É a festa do encontro, dos corações iluminados pelo amor de Deus.

Desafios e ousadia profética

Os consagrados e consagradas encontram, no espelho límpido da Palavra, o seu "rosto" autêntico. Nesta nascente de Água Viva, encontram a beleza do eterno Amor de Deus, para aceitar os desafios do mundo atual e anunciar, com ousadia profética, os caminhos do Evangelho da paz e da ternura.

Numa Igreja em saída, são chamados a viver uma espiritualidade incarnada nas diversas culturas, com espírito missionário e eclesial. Com a ternura de Cristo, escutam o grito dos pobres e vulneráveis: crianças, doentes, idosos, pessoas com deficiência, refugiados e migrantes. Ao fazer opção pelas periferias geográficas e existenciais vivem a teologia das realidades e situações concretas, tão importante no nosso tempo, como testemunho fiel à missão da Igreja.

A Conferência Episcopal Portuguesa, na sua habitual Mensagem para o Dia do Consagrado 2018, lança-nos um forte apelo à renovação: "Para que a vida consagrada seja um candelabro que ilumina à sua volta, importa não ficar presa à lógica de sobrevivência ou ao sentimento de nostalgia, mas ouse abrir caminhos novos, dar lugar à profecia". Os carismas das várias famílias de especial consagração tiveram e têm uma grande importância na cultura, na vida e na história da nossa terra e tantos outros lugares do Mundo. A Vida Consagrada é, na verdade, "um raio da beleza divina", a projetar-se no mundo através do anúncio evangelizador dos discípulos missionários.

Testemunhas da Luz do Evangelho

Podemos dizer que os consagrados e consagradas são, em muitos momentos, as mãos e o coração de Deus, cheio de amor compassivo e de misericórdia pelo seu povo. Por vezes, sentem o peso da incompreensão e da perseguição, mas não desistem de anunciar o amor de Jesus e de permanecer junto da Cruz, sinal do sacrifício mas também esperança e de glória. O Papa Francisco disse às Religiosas, no Perú: "Quando a vocação é vivida na fidelidade, a vida torna-se anúncio do amor de Deus. Peço-vos que não cesseis de dar este testemunho" (Homilia, Janeiro de 2018).

Irmãs e irmãos, para viver em harmonia a vossa consagração deveis conciliar a oração e o serviço. Na Eucaristia diária, no silêncio da escuta da Palavra e do Coração de Cristo, como também na contemplação e adoração eucarística, encontrareis a luz e a força para as vossas atividades apostólicas e missionárias. O Senhor é a vossa segurança e riqueza, a plenitude da vossa alegria.

Contagiar os jovens com a luz de Cristo

Vivei com entusiasmo e em profunda comunhão eclesial, o vosso testemunho de total consagração total a Cristo. E que o testemunho de Cristo e a vivência dos conselhos evangélicos sejam um desafio e uma "provocação" na atual sociedade, sobretudo para os jovens, que procuram sinais autênticos de seguimento de Cristo, como projeto válido de realização pessoal. O "contágio", o exemplo e influência mútua são meios eficazes na pastoral juvenil e vocacional.

Aos jovens, em especial, eu digo: rapazes e raparigas, procurai conhecer Jesus mais de perto e as diversas formas de O seguir, satisfazendo o vosso desejo de felicidade e contribuindo, generosamente, para o serviço e felicidade dos outros. Importa que cada um encontre o seu caminho e projeto de vida, o siga sem complexos ou inibições, e seja verdadeiramente feliz!

Por intercessão de Maria Mãe

Irmãs e irmãos, agradeço a todos os institutos de vida consagrada a sua presença e atividade nesta Diocese, e, com o Papa Francisco, no "Ano da Vida Consagrada" (2015), também eu vos recomendo: "sede testemunhas da alegria e da misericódia", "vivei com paixão o presente, abraçai o futuro com esperança", "levai a todos o abraço de Deus"!

Pelas mãos de Maria vamos, em seguida, renovar a oferta da nossa vida com Jesus e o nosso "sim" incondicional ao Pai. A Maria Mãe dirigimos, pois, a nossa prece:

Ó Maria, Senhora dos Consagrados, que levas em teus braços Jesus, a Luz dos Povos, concede a todos os Consagrados a graça de serem sinal e transparência do Amor de Deus: na compaixão, na alegria e gratuidade, no serviço humilde, que privilegia o ser sobre o ter e o poder, à semelhança de Jesus pobre e humilde de coração, que Se entregou incondicionalmente por amor. Que todos testemunhem, com uma fé irradiante e ardente, a Luz de Cristo Ressuscitado, nas diversas situações e circunstâncias da vida e missão de cada um.

Senhora do Magnificat, Mãe dos Consagrados, rogai por nós.

Funchal, 02 de Fevereiro de 2018

†António Carrilho, Bispo do Funchal