Mensagem de Natal

24-12-2018

Mensagem do Bispo do Funchal, D. António Carrilho, para o Natal de 2018

Alegrai-vos, nasceu Jesus!

Caros diocesanos da Madeira e Porto Santo: na alegria do Natal de Jesus, que para nós cristãos da comunidade insular é simplesmente a "Festa", a Igreja convida-nos a escutar o belo anúncio do anjo de Belém: "não temais, porque vos anuncio uma grande alegria para todo o povo: nasceu-vos, hoje, na cidade de David, um Salvador, que é Cristo, Senhor" (Lc 2,10-11).

O Natal é, sem dúvida, um tempo especial, para fazermos a festa do acolhimento de Jesus e nos alegrarmos com todos os nossos irmãos e irmãs pela mensagem de vida que Ele trouxe. Na verdade, com o nascimento de Jesus, a grandeza e a dignidade da vida humana encontram um novo sentido e um novo projeto, que importa conhecer, respeitar e promover. Vamos a Belém! "O Verbo fez-Se carne e habitou entre nós" (Jo 1,14).

Jesus vem para nós

O Menino de Belém é o melhor presente de Natal, a maior oferta do Pai à Humanidade! Natal é tempo de propor caminhos de encontro com Jesus, que nos ama e também nos envia a proclamar a Boa Nova do Seu nascimento e da Sua mensagem de amor, paz, alegria e serviço fraterno. Como poderemos, celebrar o Natal e, porventura, esquecer o essencial? É que, antes de mais, na sua origem e fundamento, a celebração do Natal é o tempo de afirmar e reavivar a nossa fé em Jesus, o Filho de Deus.

Numa época em que continuamos a assistir a tanta violência, quer nas relações internacionais feridas pela guerra e desamor, quer em muitas outras instâncias ou grupos e até na intimidade das famílias, o nosso olhar volta-se para o presépio, em silenciosa prece. Acreditamos que Jesus é o Salvador do mundo, aquele que nos liberta dos medos e traz a verdadeira Paz e Alegria.

Rico património cultural e religioso

Nos 600 anos dos descobrimentos da Madeira e Porto Santo, que estamos a comemorar, apraz-me recordar que, na nossa cultura madeirense, as tradições da "Festa" estão profundamente marcadas pelo carisma e espiritualidade de S. Francisco de Assis e são vividas de maneira singular.

Importa, sem dúvida, conservar e renovar no seu verdadeiro espírito e significado as belas tradições natalícias, que integram o nosso rico património cultural, religioso e musical: as missas do parto, com os seus cânticos apropriados; os presépios e "lapinhas" de escadinha, com o Menino Jesus a presidir, como rei e Senhor; os encontros familiares; as "oitavas do Natal, do Ano Novo e dos Reis, até ao dia de Santo Amaro", que prolongam as celebrações, os convívios e a alegria do Natal.

Importa também transmitir aos mais novos o sentido espiritual destas mesmas tradições: partilhar a fé, a alegria e o testemunho da esperança faz parte da missão de todos os crentes, reavivada no presente Ano Missionário, com o lema "Ser cristão, viver em missão". 

O Espírito do Senhor nos envia, pois, em missão a proclamar a Boa Nova aos pobres e curar os corações atribulados; enfim, a testemunhar e a manifestar, com alegria e generosidade, o nosso amor solidário aos mais necessitados. "Quem a ajuda um pobre anuncia a alegria do Evangelho", afirma o Papa Francisco.

Saudações natalícias

Boas Festas de Natal a todos os queridos diocesanos e aos nossos emigrantes, lembrando particularmente as crianças e os jovens, os idosos e os refugiados, os doentes, os reclusos, quem mais sofre e precisa de uma palavra de carinho e um gesto de conforto.

Que a luz de Belém resplandeça em todas as famílias. Jesus-Menino é a razão da nossa alegria e da nossa esperança! Santo e feliz Natal para todos!

Funchal, 24 de Dezembro de 2018

†António Carrilho, Bispo do Funchal