Homilia na Quinta do Leme

14-12-2018

Homilia de D. António Carrilho, Bispo do Funchal,

nos 50 Anos do Serviço Técnico de Educação Especial

Funchal, 14 de Dezembro de 2018

"No entardecer da vida seremos julgados pelo amor"

Com grande alegria sintonizamos o louvor e a ação de graças, pelo jubileu de Bodas de Ouro do Serviço Técnico de Educação Especial da Quinta do Leme, no Funchal. Como filhos de Deus e irmãos da mesma família, cantamos jubilosamente a bondade do Senhor, celebrada, nesta Instituição de apoio às crianças e aos jovens com dificuldades especiais de integração social, deficiência profunda e aprendizagem escolar, durante estes 50 anos: "Dai graças ao Senhor porque é eterna a sua bondade"!

Por feliz coincidência, celebra a liturgia a festa de S. João da Cruz, místico e doutor da Igreja, que colaborou com Santa Teresa de Jesus, na Reforma da Ordem Carmelita. Privilegiou a ciência teológica da Cruz, sinal supremo da sublime sabedoria de Cristo, que ofereceu a Sua vida e morreu crucificado por amor da humanidade.

Teologia da gratuidade

No texto que acabamos de escutar, S. Paulo, o apaixonado da Cruz de Cristo, sublinha a teologia da gratuidade, na carta que escreveu à comunidade cristã de Corinto. Não se apresentou como um cientista, um filósofo, tão comum no seu tempo, mas como um evangelizador de Cristo, um servo enviado em missão, com a força do Espírito Santo: "não me apresentei com sublimidade de linguagem ou de sabedoria a anunciar-vos o mistério de Deus. Pensei que, entre vós, não devia saber nada senão Jesus Cristo, e Jesus Cristo crucificado" (1Cor 2,1). Esta é a verdadeira sabedoria que ultrapassa todo o saber humano, porque marcada pelo selo do Espírito.

No evangelho, S. Lucas apresenta-nos a renúncia e a radicalidade do caminho no seguimento de Jesus. "Quem não toma a sua cruz para Me seguir, não pode ser meu discípulo" (Lc 14,27). A nova lei do amor, que nasce em primeiro lugar do encontro pessoal com Cristo, fundamenta-se no despojamento de tudo e de todas as coisas por amor de Jesus. Esta renúncia por causa do Reino supõe uma abertura total ao Espírito Santo e ao seu santo modo de operar, conforme o pensamento bíblico: acolher os estrangeiros, os órfãos, os pobres e carenciados, as viúvas, os pecadores, os marginalizados. A sabedoria do Evangelho derruba as barreiras do ódio, da indiferença e coloca os bens e a vida ao serviço dos mais pobres e necessitados.

A ciência e sabedoria da Cruz

Desta loucura da Cruz e sabedoria divina, entendeu e viveu heroicamente o humilde carmelita, S. João da Cruz, grande escritor, poeta e doutor místico do séc. XVI. Os seus escritos e, muito particularmente, os seus poemas de amor divino, são de uma profundidade e beleza extraordinária. Ainda, hoje, continuam a iluminar multidões no caminho da autêntica sabedoria e santidade de vida. Realço o seu famoso Cântico Espiritual, onde se experimenta uma presença muito forte do Espírito Santo, quando se expressa sobre "aquele toque delicado que a vida eterna sabe...". Nesta luz sobrenatural, colhemos algumas palavras de admirável saber divino: "A sabedoria entra pelo amor, pelo silêncio e pela mortificação". E ainda, aquela outra muito conhecida: "No entardecer da vida seremos julgados pelo amor".

Depois de grandes trabalhos com a reforma da Ordem do Carmo, de graves sofrimentos físicos e espirituais, oferecidos por amor, este apaixonado da Cruz de Cristo faleceu aos 49 anos de idade, em Úbeda, Espanha. No dia 14 de Dezembro, na pobre cela conventual, iluminada por intensa luz sobrenatural, ouviram-no dizer, pouco antes da meia-noite: "Vou para o céu cantar matinas!". Deixou um testemunho luminoso de santidade e sabedoria de vida, ainda hoje testemunhada pelos seus admiráveis escritos místicos.

O Presépio, o caminho do amor

Muito em breve, celebraremos o Natal de Jesus. Para os cristãos da Madeira e do Porto Santo é simplesmente a "festa", que se inicia com as tradicionais Missas do Parto. O dinamismo do Natal envolve todas as pessoas, quer na celebração exterior, com os ornamentos natalícios e convívios próprios desta época, quer nas belas celebrações litúrgicas.

Gostaria de lembrar, em especial às crianças e aos jovens, a importância deste santo tempo litúrgico, da partilha do nosso tempo e da escuta aos doentes e idosos, dos gestos de amor solidário, como sinal do amor que Jesus veio trazer ao mundo. Em cada lar, além da árvore de Natal, seria bom que as famílias preparassem o presépio, com a colaboração dos mais novos. É uma experiência muito rica e maravilhosa, que marca a infância e a juventude. Num olhar retrospetivo, sabemos que estas recordações dos primeiros anos de vida ficam indelevelmente guardadas na memória e no coração.

Saudação natalícia

Aos nossos queridos jovens e crianças, aos pais e educadores, a todos os presentes, desejo um Santo Natal, repleto de graça e de bênçãos do Deus Menino. Que a Paz de Belém inunde as vossas famílias e amigos.

Feliz Natal, Cristo nasceu. Vamos a Belém. Ali, encontraremos um casal jovem, Maria e José, e o Menino envolto em faixas, deitado numa manjedoura. Boas Festas! Jesus está para sempre connosco!

Funchal, 14 de Dezembro de 2018

†António Carrilho, Bispo do Funchal