Homilia na Eucaristia de Despedida da Imagem Peregrina

06-03-2016 14:57

Homilia de D. António Carrilho, Bispo do Funchal,

na Eucaristia de Despedida

da Imagem Peregrina de Nossa Senhora de Fátima

 

Sé do Funchal, 06 de Março de 2016

 

Maria, o abraço materno da misericórdia de Deus!

 

Celebramos a liturgia do IV Domingo da Quaresma, tempo de especial importância na preparação da Páscoa que se aproxima. É tempo de reavivar a graça e a consciência do nosso batismo e contemplar o amor misericordioso de Deus em Cristo, seu Filho, na entrega que Ele fez de si mesmo, para a redenção da Humanidade. Desde já se vislumbra o mistério da Páscoa da Ressurreição e daí brota a tónica da alegria, que marca este domingo e nos estimula a intensificar o esforço de renovação de vida cristã, pela coerência da fé e testemunho da caridade, no amor a Deus e ao próximo.

É a misericórdia de Deus que ressalta das leituras hoje proclamadas: a intervenção de Deus na libertação dos filhos de Israel do Egito e a celebração da Páscoa na terra da promessa (1ª leitura); a bondade e misericórdia do Pai no acolhimento do filho que abandonou a casa e esbanjou tudo quanto havia recebido, salientada pela contraposição com a atitude de inveja e incompreensão do irmão mais velho (parábola do amor misericordioso de Deus, mais do que do “filho pródigo”, no texto de S. Lucas); o amor de Deus que por Cristo nos reconciliou consigo e confiou à Igreja o ministério da reconciliação (S. Paulo, 2ª leitura).

Convocados pelo Papa Francisco, vivemos em comunhão com toda a Igreja o Jubileu ou Ano Santo da Misericórdia, apontando para o lema “Misericordiosos como o Pai”; um ano especial de graça, com apelos e grandes benefícios espirituais, em ordem à conversão dos nossos corações a Deus e aos outros.

Deus é rico em misericórdia e Cristo o rosto da misericórdia do Pai, devendo a Igreja ser como que um “oásis de misericórdia”, através de todos nós, dos nossos comportamentos de atenção e ajuda a quem mais precisa, nomeadamente pela prática das obras de misericórdia (cf. Mt 25).

Maternidade espiritual de Maria

Aqui nos reunimos, nesta tarde, em tão grande número, vindos de toda a Ilha da Madeira e do Porto Santo, junto de Nossa Senhora de Fátima, na sua Imagem Peregrina, na hora da sua despedida e regresso ao Santuário da Cova da Iria. É a Mãe que nos congrega, nesta catedral, para celebrarmos as maravilhas e a bondade de Deus, comungando os mesmos sentimentos filiais de louvor e gratidão pelas graças e bênçãos que a Santa Mãe de Deus derramou em toda a nossa Diocese, ao longo das três semanas de peregrinação da sua Imagem entre nós.

Foi Maria a mulher que, ao chegar a plenitude dos tempos, com o “sim” incondicional ao Espírito Santo, acolheu no seu seio a Encarnação do Verbo de Deus, Jesus Cristo, que é a plenitude da revelação do amor infinito do Pai pela Humanidade, fazendo os homens Seus filhos (cf. Gal 4,4-7).

Ao entregar-nos Maria, no cimo do Calvário, Jesus confia a cada homem e a cada mulher o coração de Sua Mãe, cheio de amor e de ternura, sempre próximo e vigilante, para nos relacionarmos com ela como filhos muito amados: “Eis a tua Mãe. E a partir daquela hora o discípulo recebeu-a em sua casa” (Jo 19,27). Com Maria em nossa casa, isto é, na nossa vida, na família, no trabalho, em todas as atividades e na sociedade em geral, é possível viver a aventura evangélica e percorrer os caminhos da Paz e da Esperança.

A mensagem de Fátima é de grande atualidade pela sua riqueza teológica e espiritual. É um apelo evangélico à oração, à conversão, ao amor eucarístico, à adoração da Santíssima Trindade e à devoção ao Imaculado Coração de Maria. Peço, por isso, a Nossa Senhora que nos introduza na intimidade do Seu Coração de Mãe, escola de autêntica Sabedoria, Humildade e Amor; que nos acompanhe pelas estradas da vida e mantenha sempre acesa em nós a chama da Fé e da Esperança, num generoso compromisso de vida cristã autêntica e coerente.

Momentos de interioridade, renovação de vida e de festa

Caríssimos diocesanos, a presença da Imagem Peregrina na Diocese do Funchal, graças ao dinamismo pastoral que proporcionou, trouxe muita alegria, consolação. As horas de oração silenciosa e de diálogo íntimo com Maria levaram muitos dos nossos fiéis ao dinamismo da reconciliação, à descoberta e ao reforço do sentido da vida. De facto, aqueles que acompanharam e se encontraram com Nossa Senhora poderão confirmar as abundantes bênçãos de Maria à Madeira e ao Porto Santo.

Na verdade, foi com grande fé e alegria que algumas paróquias e instituições dos arciprestados da nossa Diocese acolheram a Imagem Peregrina, vivendo-se, por toda a parte, momentos inesquecíveis de festa, interioridade e expressão cultural: encontros e celebrações das comunidades reunidas, tempos de oração pessoal e escuta da mensagem de Maria-Mãe, na intimidade das consciências e dos corações. A Mãe é o abraço que nos aproxima e envolve na ternura de Cristo, o rosto da misericórdia do Pai!

De facto, foi extraordinário! A presença da Mãe, ao passar através da sua Imagem, foi congregando pessoas de todas as idades e meios sociais, instituições públicas e privadas, sócio-caritativas e culturais, quer a nível regional, quer a nível mais local. Nos nossos arciprestados, muitos se relacionaram, partilharam generosamente os seus dons e trabalho, uniram-se em torno de um mesmo objetivo, fora da rotina quotidiana, interpelando ao sentido da vida, a novos comportamentos e compromissos, de acordo com a Boa Nova, o Evangelho de Jesus.

“Fazei tudo o que Ele vos disser” (Jo 2,5) foi, sem dúvida, a recomendação de Maria mais recordada e dirigida a todos quantos se encontraram, verdadeiramente, com ela. Só assim se poderá realizar o lema escolhido pelo Santuário de Fátima para esta visita às dioceses portuguesas: “O meu Coração Imaculado conduzir-vos-á até Deus”.

Na hora do “adeus”

Passadas três semanas de Visita da Virgem Peregrina à nossa Diocese, está a chegar a hora da despedida! Passa a Imagem, mas fica a Mensagem, agora mais viva e presente no coração de cada crente, estimulando a uma devoção filial mais coerente com a fé e comprometida na vida cristã e social. Maria leva no seu Imaculado Coração de Mãe os segredos, as lágrimas silenciosas, os sofrimentos, as esperanças e as alegrias de quantos a invocaram e invocam, com profundo amor e ternura filial.

Senhora Peregrina de Fátima, Coração Imaculado de Maria, rogai por nós!

 

Funchal, 06 de Março de 2016

† António Carrilho, Bispo do Funchal

Voltar

Contactos

Diocese do Funchal
Largo Visconde Ribeiro Real, 49
FUNCHAL
9001-801

© 2015 Todos os direitos reservados.

Diocese do Funchal - Gabinete de Informação